Em destaque – Das Jornadas de Junho à Copa do Mundo”

Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos (Eduardo Galeano)

        Em junho de 2013, centenas de milhares de pessoas ocuparam as ruas de importantes cidades do país. As chamadas Jornadas de Junho começaram como um protesto contra a elevação dos preços das passagens de ônibus, mas se expandiram para um imenso arco de reivindicações. Multiplicaram-se cartazes como “O gigante acordou”, “Não adianta atirar, as ideias são à prova de bala” e “Professor, te desejo um salário de deputado e o prestígio de um jogador de futebol”. As forças policiais reprimiram duramente as manifestações. Depois de um refluxo, elas retornaram este ano, materializando-se em numerosos movimentos urbanos e greves.

        Às vésperas da Copa do Mundo, o bordão Padrão Fifa se transformou em ironia para comparar as exigências da multinacional do futebol com a precariedade dos serviços que o Estado oferece aos cidadãos, em áreas vitais como saúde e educação. Há um crescente questionamento sobre os gastos associados à Copa, os supostos “legados” da organização do torneio, o uso político-eleitoral da Copa e a elitização provocada pelos preços exorbitantes nos estádios. De forma talvez inédita, a população passa a observar de maneira crítica os mecanismos de poder ligados ao futebol. Não se trata de ser do contra. Afinal de contas, o futebol é um dos principais elos da identidade nacional. O que se percebe é que as pessoas estão indignadas com a forma autoritária e excludente com que seu esporte predileto está sendo conduzido. Não aceitam mais, passivamente, o que a propaganda oficial chama de Copa das Copas.

        Em 2016, o Rio sediará os Jogos Olímpicos. Que as autoridades ponham as barbas de molho. A população está atenta ao que se fará com o dinheiro público e exigirá, ao seu tempo, um Padrão Olímpico para os bens e serviços que recebe em troca do pagamento de impostos elevados.

Rio de Janeiro, 9 de junho de 2014

Diretoria da ASA – Associação Scholem Aleichem de Cultura e Recreação

Seja o primeiro a comentar