A Torá segundo HBV

Vaikrá

Vaikrá  (Levítico) 01:01 – 05:26

O Livro de Vaikrá trata, basicamente, do que é comumente chamado de oferendas ou sacrifícios.

De acordo com o rabino Samson Raphael Hirsh¹, que viveu na Alemanha no século 19 (1808-1888), sacrifício implica dar algo que é de valor para si, para o benefício de outro. Já uma oferenda pressupõe um presente que satisfaz àquele que o recebe. Deus não precisa de nossos presentes, não tem necessidade deles.

A palavra em hebraico  corbán é mais bem traduzida como um meio para estreitar a relação do homem com o Criador. As oferendas de corbanot eram somente para o nosso benefício, para nos aproximarmos de Deus.

Ramban, o rabino Moshé ben Nachman (Espanha e Israel, 1192-1270), explicou que, ao testemunhar a experiência² por que passava o animal ofertado como corbán, o transgressor se dava conta da seriedade de sua transgressão. Isto o ajudava no processo de teshuvá, de corrigir seus caminhos.

Este capítulo contém os detalhes de vários tipos de corbanot: o que era totalmente consumido pelo fogo, o de farinha, o de primícias da colheita de grãos, o de paz, outro por algum pecado (particular ou comunitário), outro por ser culpado de alguma transgressão, um corbán por se apropriar inadvertidamente de algo consagrado a

Deus e, também, para ajudar na expiação de algum ato desonesto após tê-lo reparado.

¹ Graças à revista Aonde Vamos?, provavelmente a melhor publicação judaica que tivemos no Brasil, tomei conhecimento das pérolas de Samson Hirsh. Para aqueles que são crentes, acho muito importante ler os escritos do rabino alemão.  Busquem na internet. Para os que, como eu, são ateus, agnósticos & adjacências, também é importante ler esses escritos. Hirsh era um cabra muito inteligente, um grande erudito.

² Não sei quantos de vocês já viram o sacrifício de um boi de acordo com as leis da cashrut. Eu já, e filmei. Está no documentário sobre os Hebraicos da Amazônia, disponível na internet. É terrível. Durante muito tempo, me abstive de comer carne. Daí o comentário do sábio espanhol.

Boletim nº 149 – julho/agosto de 2014 – Ano 25

Especial para ASA

Henrique Veltman

Carioca, jornalista, 80 anos, torcedor do Ameriquinha. Antropólogo por formação, comunista por deformação. Sionista, ateu graças a Deus. Vários livros publicados (os últimos, Do Beco da Mãe a Santa Teresa; A História dos Judeus no Rio de Janeiro; A História dos Judeus em São Paulo; Histórias de Vovó Rachel – A Criação do Mundo). Novelista de rádio e televisão. Casado, avô de quatro netas e bisavô de quatro bisnetos. Hoje, editor de Opinião do jornal DCI Diário Comércio Indústria & Serviços de São Paulo. É colunista do Boletim ASA. E-mail: hbveltman@gmail.com

Seja o primeiro a comentar